“O dia de ontem foi um daqueles dias que, quando chegarmos ao final da vida, poderemos enumerar entre os que se contam nos dedos das mãos.
O dia começou às 6h45 do sábado e terminou às 3h do domingo. Em horas, um dia muito mais longo que o normal. Em tempo, um dos mais curtos que já vivi.
Um casamento triplo. Algo incomum, mas não raro…”

Isso foi o que lí em uma publicação do meu irmão mais velho, um dia depois do casamento. E por explicar exatamente o que eu senti sobre o dia 31 de outubro de 2015, me marcou de uma forma tão forte, que se duvidar, sei falar esse trecho de cor!

Planejamos tanto tempo antes, cuidamos de tudo com o maior carinho, cada detalhe teve um pouquinho de cada casal, nada passou despercebido porque o que não era tão importante pra um, era importantíssimo pro outro e o resultado de toda essa mistura de ideias foi perfeito!
Madrugamos no dia 31 de outubro, prontos para viver um dia mágico… Mal sabíamos nós de que seria um dia muito melhor do que qualquer sonho que tivemos!

De tempos em tempos alguma noiva ia pra janela e em alto e bom som gritava: a chuva parou! Logo depois outra olhava e desanimada dizia: a chuva voltou… Foi assim desde às 6hrs da manhã até o horário da cerimônia às 16:30hrs, que mesmo com isso, foi realizada lá fora, pois se tinha algo que era mais insistente que a chuva, era a teimosia das noivas, das três noivas!
Quase morri de nervoso ao notar que a chuva voltou bem no meio da cerimônia, pensei: – É agora que todos vão correr pro salão e vai rolar o maior tumulto e de costas para nossos convidados, não ouvi nada a não ser os barulhos dos guarda-chuvas se abrindo… Se fechando… Abrindo de novo… Não foi somente o casamento que foi triplo, o chuvisco também começou e parou, coincidência ou não, por três vezes e lindamente guarda-chuvas faziam a coreografia da dança da chuva, ninguém quis sair dali, todos ainda queriam ver o que mais o amor tinha para apresentar naquele lugar, naquele momento!

Chorei ao ver que a minha melhor amiga estava se casando com um cara de tão bom coração, que prometia cuidar tão bem dela, ainda mais do que já cuidou até aqui!
Chorei ao ver meu primo eternizando ali a relação dele com uma mulher tão doce que com toda a paciência dela, destacou nele ainda mais suas qualidades, o tornou uma pessoa melhor, mais forte!
Chorei ainda com o Djoni se declarando na frente de todos o homem mais feliz do mundo ao meu lado, morri de rir ao ouvir que em seus votos ele colocou um pouquinho de cada aventura que já vivemos juntos e tive mais ainda certeza da nossa união ao ouvir dele, basicamente tudo o que eu também tinha escrito nos meus votos pra dizer pra ele!
Já no salão ao comprimentar a todos, nossa alegria não cabia dentro da gente, não cabia no nosso sorriso, nem no brilho dos nossos olhos, nem no desafinar da minha voz quando a Motivo Doze interrompe um repertório lindo, pra me fazerem pagar um mico gigante, como de costume, sempre tem mico pra mim!

A festa foi um mix de famílias e de amigos, a pista se encheu de animação e alegria e foi um pulinho para às 4hrs da manhã, quando cada um dos três casais se abraçava agradecidos, todos pelo mesmo motivo: Termos realizado juntos algo muito mais maravilhoso do que cada um seria capaz de sonhar sozinho! ♡

Fotografia: Beth Esquinatti, Nei Bernardes e Aline Evelin
http://www.beth.fot.br/blog/?s=casamento+triplo

Deixe uma resposta

Fechar Menu